30.5.14

Alegria

Josef koudelka


Volta de novo, idade 
da inocência que foi minha. 
Traz-me nas tranças 
a cristalina alegria dos dias 
em que no fundo do coração 
nenhum nome me doía.

Graça Pires
De Caderno de significados, 2013

41 comentários:

Ives disse...

Dias de ouro, que voltam sempre à memória! E estamos sempre diante dos mesmos dias! abração

José Vilhena Moreira disse...

Sei o que é ser feliz assim, e do enorme tempo que tinham os dias...
Depois descobri o que encolhe o tempo e o que faz com que tranças como as que fala não encolham nunca. Chama-se poesia.
Um beijinho

Marta Vinhais disse...

Sem medos ou obstáculos...
Ficam essas memórias felizes de quando o tempo nos pertencia por completo....
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

António Eduardo Lico disse...

A Idade do Ouro em tom nostálgico.
Bom início de fim de semana.
Abraço.

Sinval Santos da Silveira disse...

Ah, querida amiga, Graça Pires !
Como fico feliz em sentir que,
ainda, tens alma de criança,
hospedada num corpo de mulher !
Parabéns pelos sentimentos, e belo texto.
Um carinhoso abraço, aqui do
Brasil.
Sinval.


Lídia Borges disse...


Tão lindo este poema do tempo em que ainda não há passado.


Beijo meu

Lídia

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
corremos atrás do tempo na tentativa de o acompanhar, não conseguimos recuar no mesmo, resta-nos as memorias dos tempos da inocência.
Dia feliz
ag

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

helia disse...

A idade da inocência ...Que saudades desses tempos !
E como é lindo recordá-los em Poesia !

O Puma disse...

Um dia seremos de novo crianças

Bj

Ailime disse...

Olá Graça, belíssimo poema!
O tempo em que a inocência era nossa companheira!
Um beijinho.
Ailime

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Temos no coração da infância uma alegria inocente, das coisas de que não suspeitamos ou sabemos.
E esse poema é de uma beleza que enche meu coração de luz e poesia.
Um beijo, minha amiga!

teresa p. disse...

Infância... memória sagrada de um tempo sem sombras.
Este é um poema mágico!
A imagem também é muito bela
Beijo

Graça Sampaio disse...

Belos tempos!!! (ou talvez não...)

Beijinhos

São disse...

Excelente e de que, se me permites, faço meu o mesmo pedido!

Beijinhos amigos, Graça

manuela barroso disse...

Um arrepio enorme percorreu a derme e instalou-se a nostalgia.
É o dom da sua poesia, Graça.
E fiquei com as tranças!
beijinhos

heretico disse...

(re)inventam-se os nomes todos os dias.

viagem sem regresso - as tranças!

beijo, Amiga.

Agostinho disse...

A graça que se desprende deste poema...Fechamos os olhos para ver e, lá no fundo da rua, num tempo com tempo, a Graça Pires brinca à corda, ventos de liberdade a esvoaçar, cabelos no ar.
Obrigado por me ensinar a ver.

Andrea Liette disse...

Oi Graça,

Que prazer estampado em poesia... e que privilégio, todos nós que temos a alegria para recordar.

Bendito será o dia em que a felicidade será um direito de todas as crianças do mundo.

Um grande beijo

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Um pequeno e belo poema que nos revela uma explosao de sentimentos....

Obrigado pela POESIA, Poeta!

Zilani Célia disse...

OI GRAÇA!
EM UM TEMPO EM QUE ÉRAMOS FELIZES, SÓ PELO SIMPLES DIREITO DE SÊ-LO, TEMPO DE CRIANÇA...
LINDO AMIGA.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Gracitamiga

É tão bom ter alegria. E não apenas as crianças, mas toda a gente. Estou daqui a ver o Thomas Morus a rir-se que nem um perdido. Mais uma utopia...

Mesmo assim - haja alegria!

Qjs

Eduardo Aleixo disse...

Puro e lindo apelo à idade da inocência.
Beijinho.

Nilson Barcelli disse...

Também gostava que voltasse a minha idade da inocência...
Belas palavras, gostei imenso.
Tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo, querida amiga Graça.

Ana Tapadas disse...

Ah, minha amiga, como partilho este poema prece!

Beijo

Evanir disse...

Todos nós guardamos na lembrança
um momento bom com um amigo.
Na memória as lembranças daqueles
que souberam nos conquistar.
Não se trocam as amizades, conservam-se os amigos
para compartilhar as alegrias e possível tristezas .
Meu carinho e agradecimento .
uma abençoada semana beijos no coração.
Carinhosamente..Evanir..

© Piedade Araújo Sol disse...

e é tão bom recordar esses tempos....

sereno e belo.

:)

Pérola disse...

A infância que se perde e recorda.

Beijinhos

ManuelFL disse...

Algures no caminho perdemos o segredo e a alegria das coisas simples.

O que nos vale é haver uma Graça Pires que, com a sua arte, nos reconduz à idade do ouro, à clara madrugada primordial que afinal nunca acaba.

ManuelFL

Mariazita disse...

Que bom seria podermos voltar à infância!
Como isso não é possível... recordemo-la, pelo menos.

Uma excelente semana.
Beijinhos

author casulo-online disse...

Por mais que tentemos, perdemos já nossa inocência há tempos, e que os ingênuos não venham reclamar do meu coment kkkk

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Graça. É verdade, a idade da inocência era tão singela que nem em pensamento sonhávamos o que poderia acontecer de triste quando ela acabasse.
Resta-nos, apenas, resgatar um pouco dessa época, para o nosso presente dorido, e alegrar um pouco os nossos dias.
Tenha um dia de paz.
Beijos na alma.

Rita Freitas disse...

Bela esta idade da inocência sem dor.

Beijinhos

a noite (ser) disse...

A idade-saudade em que só a inocência importa,
e fica para sempre, a morar, num espaço sem passado.

Belíssimo, querida Graça.

Beijinhos
Olívia

manuela baptista disse...

nenhum nome nos doía


um beijo

Maria Emilia Moreira disse...

Recordar momentos felizes da idade da inocência! Quem não tem saudades?!Um belo poema, Graça!
Abraços.

Fátima disse...

Que lindo Graça...
lembrei-me da minha meninice.
Tinha cabelos anelados
e escalava árvores com cuidado,
com medo de cair.
Hoje, já não caio,
mas tenho medo de subir.

Um beijo...
com carinho
uma rosa
de
Fátima

Carmem Grinheiro disse...

Sim! Que volte toda a alegria sem precisar de razão, toda a inocência de crer sem questionar, toda a vida que pulava ao pulsar dum tempo que rendia para tudo e muito mais.
Como era bom que voltasse.
bjo amigo

Parapeito disse...

Tão bonito e tão cheio de tanto...
Aí a inocência...quem dera ...
Abraço e brisas doces *

Eduardo Aleixo disse...

Der novo aqui o regresso ao colo, à fonte, ao regaço, à ante-manhã, momento do orvalho e do acordar dos pássaros.
Beijo.

Tania Anjos disse...

Ai, Graça... Tão boa a infância...

" ... no fundo do coração nenhum nome me doía."

Belo, mil vezes belo!

Tania Anjos disse...

Aproveito a oportunidade para convidá-la a conhecer um blog - que amo muito - intitulado "Poetas Vivos". Lá homenageamos poetas queridos que imensamente admiramos.

Grande abraço,
Taninha.

O link:
http://sociopoetasvivos.blogspot.com.br/